Academia do Vinho

Academia do Vinho - 17 anos - O mais importante site sobre vinhos no Brasil

Se a penicilina pode curar os enfermos, o Jerez espanhol pode trazer os mortos de volta à vida - Fleming, Sir Alexander

Voltar

Brasil Brasil

Regiões

Brasil possui as seguintes regiões vinícolas:

Rio Grande do Sul

Santa Catarina

São Roque

Sul de Minas

Vale do São Francisco

 

Mapa vinícola do Brasil

Mapa vinícola do Brasil

O País

Apesar da extensão de seu território, o Brasil não tem condições apropriadas à produção de vinhos de qualidade. O clima tropical do norte e o sub-tropical do centro-sul do país, com chuvas abundantes e temperaturas altas, não favorece o bom desenvolvimento das uva viníferas.

A maior parte do vinho produzido no Brasil é de vinhos de mesa, produzidos com uvas comuns ou americanas (mais de 80%). O perfil de consumo da maioria do público, reunindo a ausência de cultura de consumo de vinhos e o baixo poder aquisitivo mantém a indústria de vinhos de mesa em franca atividade.

Apenas na região sul, notadamente o estado do Rio Grande do Sul, o clima frio se aproxima mais das condições ideais de cultivo de uvas viníferas, estando aí localizado o principal centro produtivo de vinhos finos brasileiros.

Desde 2005 a região da Serra Catarinense, tradicional produtora de vinhos de mesa, iniciou a produção de vinhos finos, mostrando resultados crescentes e promissores, apesar de ainda ser uma iniciativa muito recente para se tecer avaliações.

Outra região em observação é o Vale do Rio São Francisco, onde surgiu desde 1995 uma vinicultura experimental em uma latitude impensável na história do vinho (8º), um projeto ousado que vem aguçando a curiosidade mundial. Esta iniciativa aproveita o clima quase desértico do nordeste, com sol abundante, quase sem chuvas e com grandes diferenças de temperatura entre o dia e a noite, mantendo vinhedos irrigados de forma controlada, para obter até 2,5 safras por ano. Os resultados são razoáveis, a produtividade é grande e uma análise aprofundada do futuro desse trabalho ainda está para ser feita.


História

A história do vinho no Brasil se inicia em 1532, com a chegada do governador Martin Afonso de Souza, quando Brás Cubas planta as primeiras vinhas na capitania de São Vicente, com resultados desanimadores devido ao clima quente e úmido. Nessa época, e por muito tempo, apenas o vinho importado da Europa, principalmente de Portugal e França, foi aqui consumido.

Apenas no final do século XVIII froam Introduzidas as primeiras videiras americanas, que se mostraram muito produtivas e bem adaptadas, determinando um padrão de produção e consumo local de vinhos que perdura até hoje.

Entre 1870 e 1875 teve início a colonização italiana na Serra Gaúcha, instalando-se uma colônia com hábitos ligados ao vinho, que inicialmente elaborou vinhos de mesa para consumo próprio e em seguida avançou produzindo para o consumo de toda a região sul.

Apenas em 1970 , com a chegada ao Brasil das primeiras multinacionais do vinho, foram implantados vinhedos de uvas viníferas, sendo esta a data de início da vinicultura fina em nosso país. Apesar dos investimentos e do trabalho, os resultados não foram de grande qualidade, pois as técnicas de cuidado com os vinhedos europeus em nosso território tiveram de ser desenvolvidas ao longo do tempo.

Nos anos 80 ocorreu um grande desenvolvimento tecnológico, com melhoria de vinhedos e técnicas de cultivo, e muito progresso em técnicas modernas de vinificação.

Na década de 90, com os investimentos em tecnologia já consolidados, tem início uma busca de qualidade e ao mesmo tempo se nota uma popularização do consumo. Mais e mais vinícolas abandonam a produção de brancos e se dedicam aos espumantes, que se mostram competitivos em qualidade e preço, capitaneando um renascimento na cansada indústria nacional.

A virada do século assistiu à consolidação dos novos investimentos em vinhedos e em tecnologia de elaboração de vinhos tintos, com a reputada safra de 1999 apresentando diversos vinhos de qualidade jamais vista em nossa vinicultura.

De 2000 em diante esse progresso não parou mais, com mais e mais vinícolas apresentando produtos de alta qualidade, mas nem sempre de preço popular. Diversos empresários de outros setores têm investido na produção de vinhos de alto nível, objetivando um mercado de exportação onde a presença brasileira tida como exótica vem crescendo em volume e prestígio.

No cenário interno, o volume de produção de vinhos finos vem crescendo, com uma gradativa mas ainda tímida substituição de vinhedos comuns por viníferas, porém ainda longe de ser um caminho para a substituição do consumo de vinhos de mesa.

A entrada de um público mais jovem como consumidor de vinhos é o alvo para uma indústria local focada em volume crescente de vinhos finos de qualidade básica, que sofrem muita competição dos vinhos baratos do Chile e Argentina, com melhor relação qualidade-preço. Essa concorrência é agravada pelo preconceito ainda arraigado contra o produto nacional.

Soma-se a tudo isso uma juventude conceitual de nossa vinicultura: os produtores não possuem e nem sempre buscam uma referência para sua produção: experimentam um sem número de variedades e todas as tentativas são rapidamente transformadas em produto comercial, valendo mais o marketing que os resultados qualitativos, pois o desconhecimento do público é ainda a mais importante característica de nosso mercado.

O desafio atual é a busca de uma identidade para o vinho brasileiro e o desenvolvimento de barreiras para a entrada de vinhos importados baratos em nosso mercado.

© 1997-2014 Academia do Vinho - Aprecie o vinho com moderação
Nenhuma reprodução, publicação ou impressão de textos ou imagens deste site está autorizada