MENU TOPO
Voltar
Noroeste da Itália - Piemonte
Localização

Piemonte é uma sub-região da região do Noroeste da Itália.

Introdução Mais

O Piemonte, localizado ao sul do Valle d’Aosta, é a maior e a mais conhecida região vinícola do noroeste da Itália e Turim é a sua principal cidade:

Grande parte da sua fama deve-se ao brilho do Barolo, sem dúvida, um dos grandes vinhos do mundo, mas o Piemonte é na verdade um espetacular celeiro de grandes vinhos, além de produzir uma ampla variedade de vinhos não tão famosos, mas personalidade marcada e bom nível de qualidade.


Denominações

A região vinícola do Piemonte possui 61 denominações:

> Alba  (DOC)
> Albugnano  (DOC)
> Alta Langa  (DOCG)
> Asti  (DOCG)
> Barbaresco  (DOCG)
> Barbera d’Alba  (DOC)
> Barbera d’Asti  (DOCG)
> Barbera del Monferrato  (DOC)
> Barbera del Monferrato Superiore  (DOCG)
> Barolo  (DOCG)
> Boca  (DOC)
> Brachetto d’Acqui  (DOCG)
> Bramaterra  (DOC)
> Calosso  (DOC)
> Canavese  (DOC)
> Carema  (DOC)
> Cisterna d’Asti  (DOC)
> Colli Tortonesi  (DOC)
> Collina Torinese  (DOC)
> Colline Novaresi  (DOC)
> Colline Saluzzesi  (DOC)
> Cortese dell’Alto Monferrato  (DOC)
> Coste della Sesia  (DOC)
> Dogliani  (DOCG)
> Dolcetto d’Acqui  (DOC)
> Dolcetto d’Alba  (DOC)
> Dolcetto d’Asti  (DOC)
> Dolcetto delle Langhe Monregalesi  (DOC)
> Dolcetto di Diano d’Alba  (DOCG)
> Dolcetto di Dogliani  (DOC)
> Dolcetto di Ovada  (DOC)

> Dolcetto di Ovada Superiore  (DOCG)
> Erbaluce di Caluso  (DOCG)
> Fara  (DOC)
> Freisa d’Asti  (DOC)
> Freisa di Chieri  (DOC)
> Gabiano  (DOC)
> Gattinara  (DOCG)
> Gavi  (DOCG)
> Ghemme  (DOCG)
> Grignolino d’Asti  (DOC)
> Grignolino del Monferrato Casalese  (DOC)
> Langhe  (DOC)
> Lessona  (DOC)
> Loazzolo  (DOC)
> Malvasia di Casorzo d’Asti  (DOC)
> Malvasia di Castelnuovo Don Bosco  (DOC)
> Monferrato  (DOC)
> Nebbiolo d’Alba  (DOC)
> Nizza  (DOCG)
> Piemonte  (DOC)
> Pinerolese  (DOC)
> Roero  (DOCG)
> Rubino di Cantavenna  (DOC)
> Ruchè di Castagnole Monferrato  (DOCG)
> Sizzano  (DOC)
> Strevi  (DOC)
> Terre Alfieri  (DOC)
> Valli Ossolane  (DOC)
> Valsusa  (DOC)
> Verduno Pelaverga  (DOC)

Mapa vinícola do Piemonte

Mapa vinícola do Piemonte

Vinhos da Sub-região do Piemonte

• O Barolo é proveniente de uma pequena região em torno da cidade que lhe empresta o nome. O vinho, bastante estruturado, complexo e de longa guarda, é feito com 100% da uva Nebbiolo e envelhece pelo menos três anos na vinícola, (os Riserva devem envelhecer no mínimo cinco anos).

• O Barbaresco também é feito com a uva Nebbiolo, envelhece apenas dois anos na vinícola (um ano em madeira). Mesmo sendo menos complexo, menos longevo e menos famoso do que o Barolo, o Barbaresco de alguns produtores é de excelente nível.

• O Gattinara, outro grande vinho de longa guarda do Piemonte, é produzido com a Nebbiolo (90%) e Bonarda (10%).

• O Asti ou Asti Spumante, elaborado com a uva Moscato, é um vinho espumante adocicado, de baixo teor alcoólico, muito exportado. Ao contrário do Champagne, que utiliza o método tradicional Champenoise (com segunda fermentação na garrafa), e de outros espumantes que utilizam o método Charmat (com segunda fermentação em tanques de aço inox), a produção do Asti é feita mediante uma única fermentação em tanques com retenção do gás carbônico liberado. A fermentação é interrompida por resfriamento, o teor de álcool é baixo (7-9º C) e açúcar natural permanece.

• O Moscato d’Asti é um vinho doce de sobremesa, semelhante ao Asti Spumante, porém com teor alcoólico mais baixo (5 a 6 o GL) e menor teor de gás carbônico que o torna apenas frizzante.

• O Barbera é produzido com a uva de mesmo nome e possui o mínimo de 11,5 o GL de álcool, e envelhece pelo menos um ano em madeira (o Superiore, três anos). É menos complexo e menos longevo do que os anteriores. A DOC mais respeitada é o Barbera d’Alba.

• O Dolcetto, elaborado com a uva de mesmo nome, pode ser proveniente de sete DOCs, sendo Dolcetto d’Alba a melhor delas. É um vinho é um vinho frutado, de pouca acidez e estrutura, e não se presta à guarda, devendo ser bebido jovem. É um vinho seco, não devendo-se confundir o nome da uva com o termo Dolce (doce).

• O Gavi ou Cortese de Gavi é o vinho branco de destaque no Piemonte, elaborado com a uva Cortese, pouco alcoólico e de alta acidez, também o branco seco de boa qualidade, o Arneis, também chamado Roero Arneis ou Arneis de Roero, elaborado com uva do mesmo nome.

• Entre os menos exportados, convém citar os vinhos tintos Bramaterra, Boca, Carema, Fara, Ghemme e Nebbiolo d’Alba, todos também elaborados com a uva Nebbiolo, porém menos complexos do que o Barolo e o Barbaresco ; o Freisa d’Asti, um tinto bem estruturado e feito a partir da uva Freisa, autóctone na região; o Grignolino, feito com a uva de mesmo nome.

A neblina (nebbia) matinal característica da região do Piemonte deu nome à uva Nebbiolo

A neblina (nebbia) matinal característica da região do Piemonte deu nome à uva Nebbiolo

Principais Variedades de Uvas Tintas

Barbera, Bonarda, Brachetto, Dolcetto, Grignolino, Nebbiolo, Neretta (ou Neretto) e Vespolina

Principais Variedades de Uvas Brancas

Arneis, Chardonnay, Cortese, Erbaluce, Favorita, Freisa, Malvasia di Schierano (ou di Casorzo) e Moscato Bianco (ou di Canelli)

Geografia e Clima

O Piemonte possui dois principais setores geográficos:

O setor conhecido como Monferrato fica a sudoeste de Torino, centrado nas cidades de Asti e Acqui, com história que remonta aos Romanos.

O setor do Langhe fica na província de Cuneo, ao sul do Monferrato, na parte sudeste do rio Tanaro, até a divisa com a Liguria.

No Monferrato e no Langhe as condições geológicas e climáticas apontam para a criação de vinhos de alta qualidade, tanto nos tintos Barolo, Barbaresco e Nebbiolo como nos brancos como o Asti (considerado injustamente sub-valorizado).

Desde as baixadas até a altitude de 250-300m está uma zona mais quente, favorável às variedades de ciclo longo (tardias) e com maiores necessidades térmicas: Barbera, Nebbiolo e também Grignolino. É a região dos tintos de guarda.

Nas encostas entre 300 e 400m de altitude, ocorrem maiores amplitudes térmicas e maior umidade, encontrando-se aí as variedades tintas e brancas mais frutadas e aromáticas: Moscato, Brachetto, Cortese e Favorita.

Nos pontos superiores, entre 450 e 650m de altitude, as amplitudes térmicas são notáveis, tanto na brotação quanto no final da estação, adaptando-se aqui as variedades Moscato, Brachetto e Dolcetto.

As sub-regiões do Piemonte

As sub-regiões do Piemonte diferem bastante entre si e possuem muitas DOC, aqui reunimos os elementos mais importantes para a compreensão dessa notável região.

MONFERRATO

É uma vasta região de colinas, que pode ser dividida em duas partes bem diferentes:

Basso Monferrato - (Raciocinar ao inverso) é a parte mais setentrional e de maiores altitudes, com a base pelos 350m e os picos em 700m, um território muito apropriado para os vinhedos. Aqui predominam a Barbera e a Grignolino, em vinhos macios e fáceis de beber se comparados aos demais tintos piemonteses. Em Chieri se produz um Freisa DOC.

DOC: Albugnano, Cisterna d´Asti, Colline Torinesi, Dolcetto d`Asti , Freisa di Chieri, Gabiano, Grignolino d`Asti, Grignolino del Monferrato, Malvasia di Casorzo d`Asti, Malvasia di Castelnuovo Don Bosco, Monferrato, Rubino di Cantavenna , Ruché di Castagnole Monferrato

DOCG: Barbera d`Asti, Barbera del Monferrato,

Alto Monferrato - Ainda raciocinando invertido, aqui estão altitudes menores, e curiosamente o terreno é mais acidentado, com encostas mais íngremes e vales mais profundos. Esta conformação estranha tem seu efeito na viticultura, inicialmente pelo plantio de Barbera e Moscato, seguido das uvas autóctones como a Cortese, que aqui tem sua melhor expressão, na DOCG Gavi. Em seguida vem a Dolcetto, com ótimos resultados no entorno de Acqui e Ovada ambas DOCs. A terceira menção é a Brachetto, muito difundida no passado mas hoje restrita a 50 hectares em Strevi. O Alto Monferrato costuma ser dividido em Monferrato Casalese e Monferrato Astigiano, por suas diferenças de território.

DOC: Dolcetto d`Acqui, Cortese Dell`Alto Monferrato, Dolcetto d`Alba, Loazzolo,

DOCG: Asti, Bracchetto d`Acqui (Acqui), Moscato d’Asti, Gavi (Cortese di Gavi),

LANGHE

Tem seu principal centro vitícola em Alba, mas a fama mundial desta província veio de dois centros menores, Barolo e Barbaresco. É neste local que a Nebbiolo, já qualificada em outras sub-regiões, se exprime ao nível mais alto, nestes ícones italianos. Aqui também se produz o qualificado Moscato d’Asti, os ótimos Nebbiolo, o Barbera d’Alba e quatro Dolcettos, sendo o melhor o Dogliani. Para acolher os vinhos menos portentosos, mas muito bons, existe a DOC Langhe.

DOC: Barbera d`Alba, Dolcetto delle Langhe Monregalesi, Dolcetto di Dogliani, Dolcetto di Ovada, Dolcetto delle Langhe Monregalesi, Langhe, Nebbiolo d`Alba, Verduno Pelaverga (Verduno),

DOCG: Barbaresco, Barolo, Dolcetto delle Langhe Superiore, Dolcetto di Diano d`Alba (Diano d’Alba), Dolcetto di Ovada Superiore (Ovada)

ROERO

É um distrito situado na margem oposta a Alba, tendo como centros Bra e Canale. Aqui também se planta Nebbiolo, mas as brancas Arneis e Favorita, que no passado eram usadas em cortes, hoje produzem ótimos varietais.

DOC: Roero e Roero Arneis

COLLINE ASTIGNIANE

Compreendem uma área de vinicultura de grande interesse, situadas entre Canelli e Nizza, onde se produzem Moscato d`Asti e Barbera d`Asti. Aqui se diz ter sido inventado o espumante, há mais de um século e que tem aqui seu maior centro produtivo.

COLLI TORTONESI

Estão entre o Alto Monferrato e o Pavese e possuem características ambientais e culturais típicas do Piemonte. As variedades principais são a Barbera eCortese, mas têm-se trabalhado outras uvas. Recentemente foi descoberta a variedade branca Timorasso.

DOC: Colli Tortonese

COLLI SALUZZESI

Engloba 9 comunidades em Cuneo nas colinas suaves vale do rio Po. Aqui se cultivam Barbera e Nebbiolo, e também as variedades Pelaverga e Quagliano, das quais se produzem varietais.

DOC: Colline Saluzzesi, Pinerolese

CAVANESE

Está na região a nordeste de Torino, com duas regiões vinícolas de importância:

A primeira está centrada no município de Caluso, se estendendo até as colinas de Ivrea. Aqui predomina a variedade autóctone branca Erbaluce, que produz um vinho passito tradicional e um branco delicado.

A segunda é a zona de Carema, com vinhedos em terraços com muros de pedra e pérgolas, cultivando a Nebbiolo.

DOC: Erbaluce di Caluso, Caluso Passito, Cavanese, Carema

COLLI NOVARESI e COLLI VERCELLOSI

Estão situadas a noroeste, perto do lago Maggiore, nas províncias de Biella, Novara e Vercelli, abrigando diversas DOCs, algumas de alto nível. A mais prestigiada é o Gattinara, tinto famoso desde a corte de Carlos V, que hoje foi elevada a DOCG, e também a DOC Ghemme.

DOC: Boca, Bramaterra , Colline Novaresi, Coste della Sesia, Fara, Lessona, Sizzano,

DOCG: Gattinara, Ghemme

© 1997-2019 Academia do Vinho
Aprecie o vinho com moderação
Nenhuma reprodução, publicação ou impressão de textos ou imagens deste site está autorizada