MENU TOPO
África do Sul
Introdução Mais

Na extremidade sul da África, no encontro de dois oceanos, eleva-se a majestosa Table Mountain, emoldurando um Cabo de importância histórica mundial.

Por 350 anos as culturas européia e oriental aqui se encontraram, modelando uma cidade ao mesmo tempo moderna e antiga, onde o vinho há séculos é parte viva e marcante.

O cabo presenciou momentos históricos, como a invasão holandesa em 1652, a britânica durante as guerras Napoleônicas, a revolução interna Groot Trek. Aqui em 1990 Nelson Mandela iniciou sua caminhada para a liberdade.

Hoje a África do Sul é uma democracia pacífica, onde seus 300 anos de vinicultura refletem ao mesmo tempo o classicismo e as tradições do Velho Mundo e as influências do estilo contemporâneo do Novo Mundo.

Os vinhos sul-africanos traduzem solos, clima, variedade e cultura do Cabo, contando sua história para o mundo.

As influências européias foram importantes no desenvolvimento da vinicultura na África do Sul, mas seu maior patrimônio vinícola é o clima, marcado pelas temperaturas baixas devido à latitude à presença do oceano.

Importante conceituar que os vinhos sul-africanos mostram um estilo do Velho Mundo, dentre os vinhos do Novo Mundo.


Regiões

África do Sul possui 6 regiões vinícolas:

> Boberg
> Breede River Valley
> Coastal Region

> Klein Karoo
> Olifants River
> Outras Regiões

Mapa vinícola da África do Sul

Mapa vinícola da África do Sul

Vinhos da África do Sul

A classificação oficial de regiões da África do Sul se baseia em 3 níveis de hierarquia: Região, Distrito e Wards.

Os Wards são pequenos núcleos de vinícolas, podendo estar dentro de um Distrito ou não.

Dessa forma, alguns Distritos possuem Wards, outros não.

Para complicar tudo, alguns Wards não se encontram dentro de nenhum Distrito classificado, existindo isolados no contexto da região ou mesmo do país.

Para não dificultar a navegação entre esses níveis regionais, criamos uma sexta região, denominada Outras Regiões, que abriga os Wards órfãos.

Alguns distritos possuem Wards internos, então não criamos um sub-nivel da navegação, preferindo citá-los no texto descritivo do Distrito.

A classificação oficial das regiões vinícolas da África do Sul vem sendo alterada e atualizada, e será atualizada periodicamente em nosso site.

Paisagem típica da região do Western Cape, com elevações abruptas e vales isolados

Paisagem típica da região do Western Cape, com elevações abruptas e vales isolados

Principais Variedades de Uvas Tintas

Cabernet Sauvignon, Merlot, Pinotage, Pinot Noir, Shiraz.
Cinsault e Mourvèdre são introduções recentes.

Principais Variedades de Uvas Brancas

Chardonnay, Chenin Blanc (Steen), Sauvignon Blanc, Sémillon.
Outras: Riesling, Colombrad, Gewürztraminer, Muscat de Frontignan, Muscat de Alexandria, Pinot Gris, Cape Riesling (Crouchen Blanc) e Viognier

Geografia e Clima

A região do Cabo se estende por vasta extensão, compreendendo mais de 100 mil hectares de vinhedos cultivados por 4500 produtores, com cerca de 340 vinícolas em operação.

Variando da região costeira até o quase deserto, temos uma diversidade de meso-climas e terroirs que trazem diferentes vocações em termos de variedades de uvas utilizadas e vinhos produzidos.

O clima é temperado com verões agradáveis e invernos frios, com chuvas entre maio e Agosto. Ventos vindos do oceano Atlântico, refrescado pela corrente gelada Benguela, amenizam o calor do verão.

Mais para o nordeste, continente adentro, as regiões de Klein Karoo, Olifants River e Orange River tendem a ser mais quentes e secas.

As alterações climáticas dos últimos anos elevaram a temperatura média dessas regiões, mudando o perfil de seu terroir. Mais para o norte, recentemente começou-se a desenvolver regiões interiores mais altas e frescas, até então inexploradas para a vinicultura sul-africana de qualidade.

Desde 2014 o país passa por uma seca abrangente, que dificultou a vinicultura e diminuiu o volume de produção de vinhos e frutas, afetando a sua economia.

África do Sul
Clima:Temperado com verões quentes e amenos.
Chuvas:1000 mm/ano na região costeira, bem menores nas regiões interiores.
Pinotage: a uva emblemática

Em 1925 Abraham Izak Perold, o primeiro professor de Viticultura na Stellenbosch University, cruzou Pinot Noir com a Hermitage (Cinsault), daí nascendo uma nova variedade: a Pinotage.

Essa variedade é genuinamente sul-africana, sendo festejada mundialmente por seus vinhos marcadamente ricos e especiados. Mais de 20% dos vinhos tintos sul-africanos é produzido com essa variedade.

Um detalhe interessante é que essa uva pode ter comportamentos diferentes conforme o clima da região de produção: em microclimas mais frescos, os vinhos têm o estilo mais próximo da Pinot Noir, e nos de clima mais quente o estilo é mais para a Cinsault (Hermitage).

Essa uva é também utilizada nos vinhos denominados Cape Blend - o corte do Cabo - que são tintos no estilo bordalês, produzidos com cortes das uvas Merlot, Cabernet Sauvignon, Pinotage e também Shiraz. Potentes e saborosos, os tintos de Cape Blend são sempre vinhos de ótima relação qualidade-preço.

História

Em 1652 a Companhia das Índias Ocidentais instalou um posto de apoio no cabo da Boa Esperança. A partir de 1659 começou-se a produzir vinho na região, a partir de uvas locais.

Em 1688 Huguenotes franceses católicos, fugindo da perseguição religiosa, se estabeleceram no Cabo, contribuindo para o desenvolvimento de sua vinicultura. A região de Franshoek foi seu núcleo de situação.

Durante o século 18 os vinhos de Constantia adquiriram reputação internacional, comercializados pela Companhia em leilões na Holanda e rivalizando com os saborosos vinhos europeus.

Por volta de 1950 os produtores locais foram influenciados por técnicas enológicas alemãs e italianas, e os líderes fundaram em 1955 o Instituto de Pesquisas em Viticultura e Enologia, hoje conhecido como Nietvoorbij.

A partir de 1970 novas diretrizes de qualidade resultaram na conversão de vinhedos e no desenvolvimento das regiões costeiras (Coastal) mais frescas e na utilização de variedades mais nobres. Daí em diante novas tecnologias de vinhedos e caves passaram a produzir vinhos cada vez mais qualificados e de classe internacional.

Hoje, uma entusiasmada legião de jovens vinicultores desenvolvem sua herança, tirando vantagem de seu terroir único para produzir vinhos vencedores em competições internacionais e exportando-os para mais de 80 países.

Mais informações no site:

Internet www.sawis.co.za
Afrikaans Afrikaans Inglês Inglês

© 1997-2018 Academia do Vinho
Aprecie o vinho com moderação
Nenhuma reprodução, publicação ou impressão de textos ou imagens deste site está autorizada